Por Bruna Cortez, Entrelinhas Comunicação Acessível

A Locução É um Fator Importante Na Áudio-descrição?

Publicado sexta-feira, janeiro 19, 2018

Você sabia que a locução exerce um papel fundamental no processo de áudio-descrição? Será que todo profissional da locução está automaticamente habilitado para gravar uma determinada narração?

Fique com a gente até o fim do texto e conheça um pouco mais sobre esta etapa da áudio-descrição.

Fotografia colorida e retangular. Em um estúdio de som, um tripé à direita. Nele tem um microfone retangular com um pop filter. Ao fundo do estúdio há outros microfones

Descrição da imagem: Fotografia colorida e retangular. Em um estúdio de som, um tripé à direita. Nele tem um microfone retangular com um pop filter. Ao fundo do estúdio há outros microfones. | Foto: Jonathan Velasquez

O processo de áudio-descrição (AD) de um projeto audiovisual começa a partir do áudio-descritor e consultor. Juntos eles constroem um roteiro de áudio-descrição da obra audiovisual, sendo ela em TV, filmes e séries, por exemplo. Após o processo de conclusão desse roteiro que falamos um pouco neste post (post de Priscila Xavier), começa a fase de gravação, a narração propriamente dita desse roteiro.

A narração de uma áudio-descrição nada mais é do que gravar o roteiro finalizado pelo áudio-descritor e pelo consultor. Mas não basta gravar de qualquer jeito e partir para a edição! É preciso um conhecimento técnico em ambas as áreas ou orientação de quem já trabalha com esse recurso assistivo para um resultado adequado.

É importante o narrador ou narradora ter uma boa dicção, voz firme e empregar uma entonação e respiração adequadas à obra. Por isso é preferível que seja um profissional da voz ou o próprio áudio-descritor, caso ele se encaixe nos itens anteriores.

Narrar uma AD exige grande atenção pois esta não pode ser feita como uma locução publicitária ou esportiva, por exemplo. O narrador precisa se atentar a neutralidade na hora de ler o texto – o que a maioria das áudio-descrições exige. Uma má locução e possíveis exageros nela podem prejudicar o usuário, induzindo-os a interpretações erradas do que realmente se passa na obra e prejudicando a integridade da informação.

Por exemplo: em um filme de drama, onde os atores vivem a cada instante conflitos em um cenário com grande carga emocional, o narrador da áudio-descrição não deve demonstrar mansidão ou tristeza a partir da voz; é preciso manter-se firme, manter uma voz neutra, sem grandes variações, acompanhando o ritmo da cena. A narração precisa dar espaço aos usuários para interpretar as informações ditas e não atrapalhar e gerar confusão.

Outro item que precisamos destacar e diferenciar na locução da AD é o ritmo. Mas esse assunto falaremos em um próximo momento.

Agora gostaríamos de saber a sua opinião…. Compartilha com a gente o que achou do texto. Tem sugestões para próximos temas? Envia pra gente: entrelinhasca@gmail.com.

Até a próxima!