Por

APP – Esse Admirável Mundo Novo

Publicado sexta-feira, janeiro 19, 2018

Você já ouviu falar em “jabá”? Provavelmente não, se for da geração X e Y. Esse termo era dado ao apresentador de rádio que recebia uma grana pra tocar em seu programa a música de determinado artista. Quem estava começando raramente escapava dessa obrigação.

Hoje só o site Palco MP3 tem 115 mil artistas cadastrados, 18 milhões de visitas/mês e 111 milhões já fizeram download de seu aplicativo. Gigantes como Spotify, Deezer, Youtube catapultam para o sucesso talentos que sem a tecnologia viriam reduzido a quase zero a possibilidade de se tornarem conhecidos. O mercado de games no Brasil movimentou nesse ano cerca de US$ 1,5 bilhão e o mercado interno é responsável por 35% da receita gerada pelo setor na América Latina. O streaming tornou desnecessário comprar consoles e mídias, o que ampliou o desafio para desenvolvedores encontrarem novas formas de vender produto ou serviço. E se o desktop é a plataforma mais utilizada ainda hoje, basta lembrar que, nos próximos cinco anos, o número de usuários de internet móvel no Brasil quase duplicará para entender que o mundo, realmente, caberá na palma da mão.

Toda essa revolução tem no aplicativo um componente decisivo. Quem só escuta rádio e vê televisão virou um pária dentro desse universo paralelo representado, especialmente, pelo Youtube, e os sucessos, cantados hoje em festas, viraram fenômeno graças a aplicativos como o do Palco MP3.

“O Brasil é um país culturalmente muito rico e diverso. É muito importante democratizar o acesso a música e dar espaço para novos artistas. Se não houvesse iniciativas como o MP3 talvez muitos talentos não teriam espaço para mostrar seu trabalho”, afirma Bernardo Ruas, um dos proprietários do site.

Bernardo: esforço para ser filtro de excelência

Bernardo: esforço para ser filtro de excelência

Nascido em 2003 com a ideia de dar visibilidade aos usuários do Cifra Clube, que divulgava bandas, passou a desenvolver aplicativos para outras plataformas em 2008, e para a telefonia móvel em 2012 com a popularização dos smartphones. Hoje Bernardo mistura negócio com prazer.

“Não importa se o artista tem muito ou pouco play. Nossa paixão é descobrir música boa e mostrar isso sempre para a nossa base de usuários. Pra gente é extremamente gratificante saber que o próximo artista favorito das pessoas passou pela nossa curadoria e divulgação de alguma maneira. Nos esforçamos para ser um filtro de excelência quando o assunto é divulgar artistas independentes brasileiros, simplesmente porque amamos a música produzida no nosso país. Queremos conectar esses artistas com fãs ao redor do Brasil para que eles consigam cada vez mais divulgar, trabalhar e vier da sua arte”.

O rapper Hungria, do Hungria Hip Hop, concorda e não poderia ser diferente. Ele alcançou, em janeiro, a impressionante marca de 1 bilhão de visualizações em seu canal oficial no Youtube.

Ouça Coração, do Hungria Hip Hop, no Palco MP3 https://www.palcomp3.com/hungriahiphop/

“É incrível quando você libera uma música nas plataformas digitais, seja qual for, e em questão de uma semana as pessoas já começam a cantar nos shows. Acho que tudo é devido a esses aplicativos que surgiram – eles encurtam o caminho da música ao fã e ao público no geral. Eu entro constantemente, consigo conhecer novos trabalhos e viro fã de novo talentos, fico por dentro de novas tendências”.

Matéria completa, incluindo dados da América Latina, previsão para mercado móbile, e íntegra das entrevistas com Bernardo Ruas, Diretor de Marketing do Palco MP3, e do rapper Hungria Hip Hop, concedidas à repórter Gabriela Oliveira, estão à disposição do assinante.

Caso já seja assinante, basta se acessar por Aqui.

Caso não seja, e quiser ser, siga por Aqui.

Veja também outros conteúdos de MERCADO clicando Aqui.